​Sítio de Cabeção 

Código SIC PTCON0029
Área 48607ha

Concelhos Envolvidos: Alter do Chão 1172ha / Avis 23630ha / Mora 5016ha / Ponte de Sôr 18789ha .


A Vila de Cabeção dá nome ao Sítio de Cabeção rede natura 2000, que é caracterizado por uma planície levemente ondulada sobre solos arenosos, onde o coberto vegetal é essencialmente constituído por montados de sobro bem conservados, aos quais está associada uma utilização pecuária extensiva. Ocorrem também alguns montados Azinho.
A área de montado de Sobro assume um papel relevante para a conservação de Halimium verticilatum (este sitio alberga mais de 60% do total comunitário da espécie) favorecendo igualmente a presença de espécies tais como o rato  Microtus Cabrerae.


Saliente-se também a presença de charnecas húmidas atlânticas temperadas e de ursais tojais hidrófilos e termófilos de Erica ciliaris e Erica tetralix, neste caso com a presença adicional de Erica erigene.
Constam também dos habitats prioritários as Sub-estepes de gramíneas e anuais da Thero-Brachypodietea e as florestas anuais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior.
A Paisagem desta região é cortada por alguns vales aplanados, onde se podem observar bosques ripícolas sobretudo salgueirais.
Os habitats naturais e semi-naturais presentes englobam, dunas com vegetação esclerófila, dunas interiores com prados abertos, lagos eutróficos naturais, charcos, cursos de água dos pisos basal a montano, cursos de água de margens vasosas, cursos de água mediterrâneos permanentes e outros intermitentes, charnecas húmidas e secas, matos, pradarias húmidas mediterrânicas de ervas altas, freixiais termófilos e florestas de Carvalhos e Salgueiros.
Alberga inúmeras espécies de fauna, umas residentes e autóctones, nomeadamente a Lampreta sp. (Lampreia de rio), Chondrostoma polylepis (Boga-comum), e Rutilus alburnoides (Bordalo), Mauremys leprosa (Cágado mediterrâneo), Lutra lutra (Lontra europeia), Microtus cabrerae (Rato cabrera) e outras 
sedentárias como Rhinolophus hipposideros (Morcego de ferradura pequeno).



O Sítio de Cabeção com as suas massas de água, áreas florestais pouco densas, fauna abundante, sejam elas montados, pinhais, bosques ou galerias ripícolas, reproduz grande diversidade de habitats onde se alimentam e nidificam inúmeras espécie de aves, tais como várias espécies de garças ou cegonhas-brancas e negras, zarro-castanho, entre outras aves aquáticas, várias espécies de rapinas de nocturnas e diurnas.



O uso florestal encontra-se na ordem dos 41095ha com 10% matos, 75% de espécies Sobreiro,Azinheira, Eucalipto, Pinheiro Bravo e Pinheiro Manso) e 72% de regime de caça especial.​

Os sistemas de culturas arvenses, em terra campa ou no sob-coberto de montado de azinho, são sempre descontínuos e extensivos com longos pousios de predomínio dos cereais mais rústicos. Ainda nestas formações tem grande importância o sistema florestal com base no pinheiro.
O uso agrícola ocupa sensivelmente 27041ha, com culturas principais de pastagens permanentes 56%, forragens e prados 10%, culturas arvenses 18% e cereais 8%. As espécies pecuárias que ocupam 70% das OTE são bovinos de carne 15%, ovinos e caprinos 12% e polipecuária 16%.



PRODUTOS DE QUALIDADE

O Sítio está inserido na área geográfica de produção, abate, desmancha e acondicionamento de: “Carne de Bovino Mertolenga” (DOP), “Alentejana” (DOP) e da “Charneca” (DO).
É também área geográfica de produção de: “Porco Alentejano” (DO), “Borrego do Nordeste Alentejano” (IG), “Azeite do Norte Alentejo” (DOP), “Queijo de Nisa” (DOP) e de “Tolosa” (IGP).
Cabeção é desde tempos muito recuados (1830) um lugar de tradição na produção de vinhos no Alentejo, com predomínio de castas Portuguesas bem adaptadas ao solo e clima da região.

“Acesso em:”.www.icnf.pt/portal/pn/biodiversidade/rn2000/resource/doc/sic-cont/cabecao

© 2013 by Associação dos Amigos da Natureza de Cabeção. Todos direitos reservados.

  • Facebook ícone social
Câmara Municipal de Mora

​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​Mora é uma vila portuguesa, no Distrito de Évora, região Alentejo e sub-região do Alentejo Central​

Go to link